Tendência de moradia: o que o mercado está oferecendo?

Tendência de moradia: o que o mercado está oferecendo?

Falar sobre moradia é entrar em um universo de possibilidades. São diversos tipos, tamanhos e modelos disponíveis no mercado.

A questão é que muito do que já foi e será construído leva em consideração as tendências.

Hoje queremos apresentar alguns aspectos de como eram as famílias e o que elas buscavam quando o assunto era imóvel e como é hoje. Além disso, vamos falar de algumas tendências de moradia que as pessoas estão procurando e no que as construtoras estão investindo. Confira!

As necessidades mudaram

Se analisarmos as famílias, 50 anos atrás mais ou menos, percebemos que elas eram grandes, com muitos filhos. Isso porque o custo de vida era relativamente baixo e muito do alimento destinado ao sustento da família era resultado da plantação própria. Ou seja, apesar de outras dificuldades, era possível plantar para sobreviver.

Hoje a situação se encontra muito diferente. O perfil das famílias mudou e os custos de vida se tornaram salgados. Muitas pessoas aderiram ao estilo de vida solitário, o que trouxe mais independência. E quanto aos casais, querem no máximo dois filhos, mas veem um como uma sábia decisão.

A tendência de morar sozinho ou ser casal com dois filhos, se reforça com a pesquisa do Ibope feita este ano sobre natalidade. Em informações no site Agência Brasil, 79% dos entrevistados – foram ao total 1.491 pessoas – não pretendem ter filhos até 2020. Em relação aos dados separados por região, aqui no Sul esse número é ainda maior, 87% dos sulistas não pretendem ter filhos até 2020.

Aspectos como essas mudanças no perfil das famílias, valorização da mobilidade, questões econômicas e de localização explicam a procura por imóveis pequenos, onde a busca maior é por imóvel com dois quartos.

Quais são as tendências de moradia?

Primeira questão que já é tendência e ainda será são os imóveis pequenos. E por que? Dentre os principais motivos para apartamentos menores se tornarem os mais desejados é a questão de poder morar em bairros mais valorizados – o preço é mais acessível devido ao tamanho – e aqui podemos citar também a questão da segurança. Bairros desvalorizados tendem a ser mais violentos.

Outro ponto que contribui forte para esse crescimento é o número de pessoas que passaram a morar sozinhas.

Apartamentos que conectam sala, quarto e cozinha – chamados studios – tendem a ser uma forte tendência aqui no Brasil. Eles atraem pessoas que não querem gastar muito tempo no trânsito.

Sobre vantagens para as construtoras, é que se consegue vender mais unidades por lançamento. Isso tanto pela procura do mercado em geral como pela questão financeira.

Em uma pesquisa feita pela Mind Miners, com 1.000 pessoas, neste ano, sobre o perfil da casa ideal no mercado imobiliário no Brasil, foram levantados dados muito interessantes, veja a seguir:

  • A casa ideal tem 2 moradores, 2 quartos, 2 banheiros e 2 vagas
  • 30 % dos entrevistados pretendem gastar até R$ 100.000
  • 26% dos entrevistados pretendem gastar até R$ 200.000
  • Sobre o estilo de decoração 35% preferem o Moderno.

No que as construtoras estão investindo?

Com os dados apresentados acima, e devido a procura intensa por imóveis cada vez menores, já é possível identificar que construtoras irão investir em moradias pequenas, principalmente em apartamentos pequenos.

Em matéria divulgada na VTV DA GENTE, do SBT, no mês passado, sobre investimento de construtoras em novos formatos de imóveis, é relatado que esse tipo de apartamento com menos de 45 m² tem virado moda. E ainda é mencionado que o crescimento na venda de imóveis de julho 2017 até junho 2018 foi de 66,1% a mais do que registrado no mesmo período anterior.

Nessa mesma matéria ainda reforça o que citamos no começo do texto: a preferência por apartamentos com 2 dormitórios, e ainda, a busca por empreendimentos que ofereçam área de lazer no prédio.

Conforme o site da FIA (Fundação Instituto de Administração), sobre o mercado imobiliário e tendências para 2019, queremos apresentar duas tendências interessantes:

  • Coliving: a geração que começará a procurar por imóveis são os nascidos no fim da década de 90. Estes que são caracterizados como pessoas que buscam experiências ao invés de produtos. O coliving vai contribuir para isso. Nesse conceito a pessoa tem o próprio apartamento privado. Entretanto ele se localiza em um lugar que possui espaços de convivência. Estes que podem ser ambientes compartilhados para trabalhar, estudar, fazer refeições, praticar exercícios, e assim por diante. É um tipo de moradia que estimula o relacionamento e convivência entre pessoas
  • Conceito pós-luxo: menos é mais. Paga-se caro desde que tenha um motivo claro para este valor. O produto pós-luxo deve ter originalidade, atemporalidade e atender a um propósito maior. Aplicando esse conceito no ramo imobiliário, ele consiste em design e materiais diferenciados.

Conclusão

Se você deseja construir um empreendimento ou comprar um imóvel, ficar atento as tendências para o próximo ano é indispensável. Isso permite identificar o que o mercado está oferecendo e no que o setor de construção civil está investindo.

Muitas tendências podem surgir, mas o que tende a ser muito forte no ramo imobiliário em 2019 é: apartamento com 2 quartos, com até 45m² e com valor aproximado de até R$ 250.000,00.

A Rohden Portas coloca a disposição no mercado portas com designs impecáveis. Estas que devido a qualidade do material utilizado na produção, podem ser consideradas portas diferenciadas!

Já leu sobre alguma outra tendência no ramo imobiliário para 2019? Escreva nos comentários!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.